quarta-feira, 21 de junho de 2017

DAILY || À varanda


É um dos meus maiores prazeres do Verão; esperar que o dia chegue aquela hora dourada, em a temperatura entra em harmonia com a brisa típica da estação, e sair descalça, de livro na mão, em direcção à cama de rede, na varanda. Há qualquer coisa de simples e mágico neste meu ritual, que me faz sentir melhor, mais próxima das rotinas que me fazem feliz e trazem paz.

A luz do Sol que bate, sem forças impiedosas, nas páginas do livro que leio devagar; o calor que ainda queima suavemente a pele destapada e a perna direita que fica sempre descaída o suficiente para o pé flutuar no chão, onde estico o dedo o suficiente só para dar à cama um ligeiro efeito de baloiço. Os cabelos, quando não estão apanhados, dançam pacificamente com a brisa, sem incomodarem o momento que se proporciona. Alguns brilham com a luz do Sol que os abraça.

Só se ouve o som dos pássaros, das primeiras corujas, dos cães a correr - finalmente felizes e activos por estar menos abafado -, das folhas a baloiçar com a brisa, num ritmo lento e em cadência, como quem se balança envergonhado ao som de um acústico de guitarra. É tudo tão verde e intenso, mesmo que a luz dourada tente competir pela mesma beleza. Ao longe, as planícies repousam pachorrentas e emolduram o quadro verdejante que os meus olhos alcançam quando os desvio de um novo capítulo. 

É tudo tão sereno e no devido lugar. Está tudo no sítio certo e ninguém incomoda. O tempo desfaz-se e as horas passam sem darmos conta. Só vamos embora quando o Sol for também. O chão da varanda ainda irradia calor e aquece sempre a ponta do pé. O som das páginas a virar funde-se bem em toda a melodia que toca lá fora; e a frequência cardíaca desacelera, as pálpebras semicerram e os pensamentos pesados esfumaçam-se. Está tudo no sítio certo e o tempo pertence-me.

São momentos destes que me fazem sentir em casa. Por fora e por dentro.

10 comentários:

  1. Toda a gente aprecia o seu momento de relaxamento e esse parece-me muito bom, pena é não o poder fazer... De certeza que limpa a cabeça e relaxa bastante, só de ler o que escreveste deixou-me relaxada.
    Beijinhos
    Cantinho da tequis
    Facebook Cantinho da tequis

    ResponderEliminar
  2. Ando a sonhar arranjar uma rede assim para a minha varanda :)

    ResponderEliminar
  3. A delicadeza com que deixas as palavras fluir e os pormenores tão simples e cheios de vida que partilhas connosco... Quase senti um pequeno balanço no corpo e um cabelo a esvoaçar na brisa. Fui completamente transportada para a serenidade ao ler esta tua descrição, demorei algum tempo a reconhecer os meus livros quando baixei os olhos para a secretária. Que inspiração!

    Ana

    ResponderEliminar
  4. Eu também adoro ler na varanda quando o tempo está fresquinho, mas não tenho uma rede, quem me dera ter.
    Este post foi delicioso de se ler. Pareceu que estava a ler um livro, mas sobre uma cena da tua vida. Tens mesmo jeito para as palavras:).
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  5. Tão bonito o que escreveste Inês. Consegui imaginar cada pormenor do que descreveste e transmitiste-me uma sensação imensa de bem estar.
    É das coisas que mais gosto de fazer -ler um bom livro, ao ar livre :)

    ResponderEliminar
  6. Após estes anos todos, a tua escrita continua a cativar-me! Sabe tão bem ler estes posts. É como se esquecesse por momentos todo o meu dia, todas as confusões e todos os stresses e durante aquele tempo, aqueles pequenos minutos, eu era transportada para o cenário que acabaste de descrever. Obrigada por esses minutos

    ResponderEliminar
  7. Ando à anos a suspirar por ter uma rede assim!! Mas aqui levanta-se muito vento (perto da serra de sintra) e quebra logo qualquer tentativa de relaxamento!
    Mas de manhãzinha e ao final da tarde sei exactamente esses sons que falas. São deliciosos!

    ResponderEliminar
  8. Fizeste-me viajar para os meus momentos na varanda de minha casa, de livro em punho e almofada nas costas para o banco não me magoar após o jantar!

    ResponderEliminar
  9. Essa fluidez com que pautas estes momentos são tão... reconfortantes, de verdade! Senti-me a aquecer, não porque esteja calor, mas sim porque o sangue deixou-se encantar com aquilo que lhe apresentei e fervilhou de felicidade.
    São rituais e momentos destes que nos abrem os olhos para as coisas mais importantes da vida! E é tão bom saber que existe sempre alguém consciente disso! Continua assim, Inês, amante da vida!
    Beijinho grande,

    LYNE

    ResponderEliminar
  10. Adoro que estivesses a ler "A Rapariga no Comboio"! A Paula Hawkins é uma das minhas escritoras preferidas e tive o prazer de a conhecer na Feira do Livro. Já leste o mais recente livro dela, "Escrito na Água"?

    Beijinhos!

    Estranha Forma de Ser Jornalista
    http://estranhaformadeserjornalista.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)