sábado, 24 de junho de 2017

DESPORTO || Descida do Almourol


Adoro canoagem. É uma actividade física que, se pudesse, gostava de poder praticar regularmente. E por serem oportunidades tão únicas, eu aproveito-as sempre; já desci duas vezes o Zêzere e, também por duas vezes, fui para água salgada, no mar das caraíbas. Desta vez, a descida foi a do Almourol.


A partida faz-se de Constância, ainda no rio Zêzere, e o percurso é relativamente curto e sem dificuldade. Passamos pela foz do Zêzere, onde fazemos a transição para o rio Tejo, sempre com a corrente a favor - o mesmo nem sempre se pode dizer do vento-. Termina nas margens da ilha onde se ergue o castelo de Almourol, cuja sua construção remonta ao séc. II a.C., onde fazemos uma visita e podemos apreciar a paisagem, vista das torres.
O percurso é, como sempre, de extrema beleza. Há qualquer coisa de arrebatador em estar no meio do Tejo, de uma enorme largura, e apreciarmos o encantos que a margem tem para nos oferecer; as árvores cerradas num verde deslumbrante, o som da Natureza e do pagaio a chapinhar na água, as pequenas praias que aparecem na mesma velocidade com que desaparecem, a calmaria de nada de relevante acontecer a não ser o curso do rio. É quase terapêutico, de tal forma relaxante que nos faz esquecer todo o esforço de braços e a postura das costas. Dá vontade de deitar na canoa a deixarmo-nos ir até onde o rio nos levar.


De todas as actividades e aventuras extraordinárias que já tive o privilégio de fazer, nenhuma me ligou tanto à Natureza como a canoagem. Não vos sei explicar porquê, mas é realmente emocionante e incrível, para mim. Não foi a minha descida preferida - gostei mais da descida do Zêzere por ser mais longa (muito mais longa, é um ponto a considerar se se vão estrear na canoagem, talvez a descida do Almourol seja mais adequada a uma primeira vez - ou se trazem convosco crianças). A descida do Zêzere também é mais desafiante; mistura os momentos mais calmos com alguns rápidos opcionais que eu sou louca o suficiente para adorar e viver essa adrenalina, um lado da canoagem que aprecio também. Mas não achei a descida menos incrível por isso. A união entre a actividade física, a aventura e a vertente cultural é muito inteligente e pertinente. Senti-me uma verdadeira Pocahontas ao circundar o castelo na minha canoa. Recomendo a todos os meus leitores aventureiros!

10 comentários:

  1. Um dia, adorava experimentar canoagem :). Deve ser uma sensação fantástica! E deve ser ainda mais fantástico se for acompanhada com essas paisagens de cortar a respiração!
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  2. Eu quero tanto experimentar canoagem! Espero que chegue o dia!

    Beijinhos
    That Girl | FACEBOOK PAGE | INSTAGRAM | TWITTER

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito de fazer canoagem e a última vez que tive oportunidade de o fazer foi em Góis. A experiência de descer o Almourol deve ser incrível e uma das que quero ter. A paisagem é maravilhosa :)

    ResponderEliminar
  4. Adorava experimentar fazer canoagem, parece ser bem interessante.
    Beijinhos :)
    https://dailyvlife.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Também adoro canoagem! Quero muito fazer este percurso tão bonito :)

    ResponderEliminar
  6. aiiiiiiiii! Adorava experimentar! Como? Quando? Quanto? <3 ADOROO! Aliás, ADORARIA fazer, mas ADOREI a tua partilha! <3

    Um beijinho dourado,

    Catarina

    ResponderEliminar
  7. Já pagaiei em mooooontes de sítios por causa dos escuteiros, do Tejo ao Zêzere, à Lagoa de Albufeira, passando pela barragem do Maranhão e por São Martinho do porto! É algo que costumo fazer todos os anos desde muito nova e adoro! Já fiz essa rota, num dia descemos uma parte do Zêzere até Constância e no seguinte fizemos de Constância e fomos pelo Tejo a dentro, lembro-me que nos divertimos imenso, caímos montes de vezes à água, encalhamos nos pilares das pontes e rimos muito! Tenho muito boas memórias da paragem que fizemos em Almourol, foi incrível e já não bastava o percurso ser deslumbrante! Pretendo repetir, sem dúvida!

    ResponderEliminar
  8. Já fiz canoagem uma série de vezes e adoro. Os momentos mais hilariantes são nos escuteiros, quando estamos no meio de uma barragem e por causa do calor, decidimos virar a canoa de propósito, como no Acanac 2012 e no Acareg do ano passado.
    Gostava, sinceramente, de fazer canoagem mais regularmente e em percursos mais diferentes, sendo que este que falaste no post me atrai imenso.
    João, Náměstí J

    ResponderEliminar
  9. Desde a tua primeira partilha sobre o Ludovico que oiço com regularidade a arte que este senhor faz! Assim, acabava de ler a tua última publicação, sobre finalmente poderes assistir a tal encanto ao vivo quando comecei a ler esta experiência incrível em Almourol.
    Já queria experimentar algo do género há algum tempo, porém, a forma como escreves, aliada à excelente música que Einaudi nos proporciona, deixou-me com o bichinho ainda mais atrás da orelha... A ver se é este ano!
    Obrigada pela partilha, Inn <3

    ResponderEliminar
  10. Olá! :D
    Já conhecia o teu blogue mas agora é que estou a comentá-lo oficialmente, digamos assim :p
    Canoagem deve ser qualquer coisa de especial ;)

    Estranha Forma de Ser Jornalista
    http://estranhaformadeserjornalista.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)